Google+ Followers

segunda-feira, 9 de abril de 2012

A Questão da Mulher - conceitual

Através da nova linguagem genérica


As peças íntimas são bordadas com as letras "a" e "o", que representam, na linguagem derivadas dos países latinos, os artigos que acompanham os substantivos. Assim abrangendo os dois gêneros, masculino e feminino.
Propõe-se a igualdade de condições das pessoas independente de sexo. Esse é o significado do bordado "a=o": dito de outra forma, o homem e a mulher são iguais em direitos; e isso se confirma pela fala que, aprendida na intimidade, se instala no inconsciente.


O Japamala



Objeto de meditação, formado por 108 unidades representadas por um corpo de mulher nua, em postura abaixada e curvada.




Esta obra evidencia o "feminino", ainda submisso em muitos povos do mundo inteiro, sendo a mulher o maior centro de atenção na comercialização de objetos sexuais. 



Porém, o corpo está como um instrumento de oração, considerado sagrado. Ela é um convite para refletir no paradoxo do papel da mulher, que na atualidade ainda tem que lutar por seus  direitos. 



Observamos também o aspecto devocional do objeto (japamala) e sua finalidade espiritual, contracenando com o aspecto terreno da submissão feminina.
Percebemos a universalidade do objeto de meditação tanto no oriente como no ocidente, concomitante com a condição da mulher em todo o universo.

Sexismo na linguagem 

Apropriação da frase da poesia de Raul Boop para Pagú, que diz:

“Dói porque é bom de fazer doer”


A obra consiste em construir, com a frase da poesia, os seios da mulher como obra. A frase, composta de letras de fios de algodão e unidas umas às outras com alfinetes, estão enroladas formando os seios da mulher. 


Depois de tecidos, eles estão prontos e disponíveis para uso. Como suporte, é apresentado numa bandeja para serví-los. A bandeja foi construída de camadas de gaze, como uma metáfora do tempo e cura da dor.  



Objetivos 

Refletir sobre certos padrões universais que envolvem a mulher na dor:

Pátria Potestade: O direito e a legislação correspondem ao pai de família, a mãe não tem direito mais que os naturais.

Religião: A mulher nasceu da costela do homem.

Inquisição: A mulher se relaciona sexualmente com o diabo.

Prostituição: O comercio da mulher, considerada um objeto sexual até os dias de hoje.

Publicidade: O mesmo assunto citado anteriormente vira nos dias de hoje marketing.

Machismo: A força física do homem se impondo perante a mulher.

Dar a perceber que os seios são tecidos com a dor da qual a frase está falando. O algodão deixa de tecer a vestimenta para tecer o próprio corpo. O tecer é uma velha atividade feminina, vagarosa e muito custosa.

Fazer notar que a disponibilidade dos seios para serem usados, traz implícita a dor, que é construída sem ser percebida.

Um comentário: